domingo, 20 de maio de 2007

Nosso olhar sobre a Inclusão de alunos Down

Clique nas imagens da aluna
Manaíra para vizualizar melhor.



create your own slideshow




O que estamos oferecendo às crianças com necessidades especiais?

A nossa Constituição estabelece em seu artigo 208 que o dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino, mas como isto efetivamente pode se dar no sistema atual de ensino?
O que esperamos com esta proposta é que as crianças com Síndrome de Down tenham igualdades de oportunidades, de valorização entre as pessoas, no desenvolvimento de habilidades, talentos pessoais, papéis sociais compatíveis com o contexto de vida, cultura, idade e gênero, como prioriza a nossa lei maior.
O interesse pela adaptação ao meio e a valorização dos papéis sociais, presentes na maioria das propostas educativas, decorrem da autonomia, como finalidade da educação de pessoas com deficiência. O portador da Síndrome de Down é capaz de compreender suas limitações e conviver com suas dificuldades, "73% deles tem autonomia para tomar iniciativas, não precisando que os pais digam a todo o momento o que deve ser feito." Isso demonstra a necessidade/possibilidade desses indivíduos de participar e interferir com certa autonomia em um mundo onde "normais" e deficientes são semelhantes em suas inúmeras deficiências.
Normalmente à criança que apresenta Síndrome de Down desde o nascimento inicia-se uma trajetória de estimulação precoce no setor de fisioterapia. Por volta dos três anos, quando já pronuncia palavras, a estimulação passa a ser paralela com a fonoaudiologia com trabalho específico, foi o caso de Manaíra, a menina que escolhemos para apresentar o trajeto de um Down, numa classe inclusiva.
Os pais de Manaíra optaram por não matriculá-la numa classe normal, por achar que seria excluída, nem na APAE, mas buscaram importantes atendimentos particulares e especializados como: psicóloga, psicopedagoga, Curso de Kumon, ainda assim, houve falha quanto à socialização e relacionamento e por isso, segundo a professora, quando a menina chegou à Escola Estadual Pedro Vicente da Rosa, aos dezessete anos, por opção dela, mantinha uma postura infantilizada, com tendências a teimosia. Era uma criança mimada e manhosa, exigindo muita intervenção no sentido do estabelecimento de limites, normas e regras, mas rapidamente assimilou, entendendo que não era um bebê, mas uma moça e deveria ter uma postura adequada à idade.
Os colegas e alunos da escola foram preparados para: lidar com as diferenças individuais; respeitar os limites do outro; partilhar processos de aprendizagem; compreender e aceitar os outros; reconhecer as necessidades e competências dos colegas; respeitar todas as pessoas; construir uma sociedade mais solidária; desenvolver atitudes de apoio mútuo; criar e desenvolver laços de amizade; preparar uma comunidade que apóia todos os seus membros e diminuir a ansiedade diante das dificuldades. Com isso sua adaptação foi natural e muito rápida, mantendo excelente relacionamento com os colegas e professores e toda a comunidade escolar.
Na escola é unânime ouvir: o amor incondicional que recebe da família se reflete na excelente auto-estima e na alegria que tem em viver, da mesma forma que apresenta em sua aprendizagem. Acreditamos que isso vem a ser Educação Inclusiva porque oportuniza o acesso, a permanência e o aproveitamento na escola, independentemente de qualquer característica peculiar que os alunos apresentem ou não.
Educação Inclusiva pressupõe que o professor, a família e toda a comunidade escolar estejam convencidos de que: todos os alunos com ou sem deficiência participem ativamente de todas as atividades na escola e na comunidade; cada aluno é diferente no que se refere ao estilo e ao ritmo da aprendizagem; os alunos com deficiência não são problemas: A escola entende esses alunos como pessoas que apresentam desafios à capacidade dos professores e da escola para oferecer uma educação para todos, e o aluno é quem que produz o resultado educacional, ou seja, a aprendizagem. Os professores atuam como facilitadores da aprendizagem dos alunos, com a ajuda de outros profissionais, tais como professores especializados em alunos com deficiência, pedagogos, psicólogos.
Estas são razões pelas quais, a adaptação e integração de Manaíra ao grupo foram naturais e aconteceram muito rápido. Aprende tudo o que é ensinado pelos colegas, no seu tempo. Ela tem uma família que vibra com e por ela.
Os professores precisam estar conscientes de sua importância e da função que desempenham, no caso de ter um aluno com síndrome de Down, na sala. Como se vê, é na relação concreta entre o educando e o professor que se localizam os elementos que possibilitam decisões educacionais mais acertadas, e não somente no aluno ou na escola. O sentido especial da educação consiste em amar e respeitar o outro, que são as atitudes mediadoras da competência ou da sua busca para melhor favorecer o crescimento e desenvolvimento destes. O conhecimento de uma abordagem holística, no sentido de integração e revelação do contexto de vida do portador da síndrome. A relação com seus pais pode revelar expectativas e ou frustrações, com irmãos pode determinar sentimento positivo como grande afetividade, ou negativo como vergonha, e amigos, que pode trazer informações sobre preconceitos e conquistas de espaço. Ter acesso aos outros profissionais, como fonoaudiólogos e fisioterapeutas envolvidos no desenvolvimento deste indivíduo, podem também trazer contribuições significativas para as ações do professor em sala de aula.
Isso é muito importante para que avaliação do aluno se dê no todo. Manaíra é observada, desde seu equilíbrio estático ao equilíbrio dinâmico e de objetos, sua dicção, tátil, térmico, olfativo gustativa, as habilidades e percepções, figura fundo, memória visual, sua coordenação viso motora. O esquema corporal, a orientação espacial e temporal são trabalhadas e avaliadas constantemente. Também sua atitude em relação ao material, às atividades que realiza sozinha. Transmissão de recados, cuidados com a roupa, higiene, noções de dinheiro e conhecimento de recursos na comunidade, supermercado, etc. Seu desejo é ser alfabetizada, ou seja, saber ler e escrever tudo, porque o namorado tem MSN e ela não pode namorar on line.
A dedicação da professora apresentada é impressionante. Os alunos fazem passeios e jantam fora seguido e levam sempre a colega junto para sentir-se incluída perante a sociedade. Participam em oficinas de “mosaicos”, e estão fazendo o curso de informática e Manaíra aprendeu a usar o mause , adora desenhar no paint.Como já reconhece as cores, letras e números, desenha e quer juntar as letras.
Sua construção do conhecimento, das letras, dos números é mais lenta do que os demais, porém a compreensão de mundo é compatível com qualquer pessoa dita “normal”. Seus interesses e manifestações são iguais a qualquer adolescente, inclusive o interesse por meninos.
Muitas pessoas confundem a deficiência mental (síndrome de Dawn) com a doença mental (esquizofrenia, paranóias e outras), o que não é correto. São fenômenos completamente diferentes. A pessoa com deficiência mental não tem surtos, não tem ataques e não tem convulsões. É perfeitamente possível conviver com ela de aprendizagem criança a criança: oferecem a oportunidade de compreender melhor as pessoas que, por qualquer motivo, são diferentes (maneira de vestir, crenças, língua, deficiências, raça, capacidades). Quando as crianças compreendem que toda criança é diferente, deixam de fazer brincadeiras cruéis e podem se tornar amigos.
A Educação Inclusiva pressupõe que todas as crianças tenham a mesma oportunidade de acesso, de permanência e de aproveitamento na escola, independentemente de qualquer característica peculiar que apresentem ou não.
Para que isso ocorra, é fundamental que as crianças com deficiência tenham o apoio de que precisam, Mas, o mais importante de tudo, é que a o professor, a família e toda a comunidade escolar estejam convencidos de que: cada aluno é diferente no que se refere ao estilo e ao ritmo da aprendizagem; os alunos com deficiência não são problemas; esses alunos são pessoas que apresentam desafios à capacidade dos professores e das escolas para oferecer uma educação para todos, respeitando a necessidade de cada um; que podem contar com a ajuda e também podem ajudar os colegas a lidar com suas dificuldades para que possam conviver com as demais crianças.
Se por um lado, a criança portadora da síndrome de Down tem muito a ganhar em termos sócio-afetivos permanecendo no ensino regular, na maioria das vezes, as escolas têm poucas alternativas para oferecer a estes alunos na apreensão dos conteúdos em sala de aula. O problema não é deixar a criança com down nessa ou naquela escola, o problema é como evitar a exclusão e, ao mesmo tempo, incentivar a criança em seu desenvolvimento intelectual e emocional. Percebemos, no caso relatado, que foi e está sendo possível um trabalho de envolvimento e desenvolvimento da aprendizagem do grupo, porém temos casos mais graves, considerados não tão moderados, específicos para salas de educação especial, com profissional capacitado para tanto.
Infelizmente ou felizmente não há uma "receita de bolo" para estes casos. As crianças com síndrome de Down, assim como outra criança qualquer, são muito diferentes entre si, tanto acerca da sua personalidade, quanto em relação aos diversos e variados interesses e habilidades. Mas como mudar o sistema sem propor uma mudança nos seus componentes? Antes de qualquer coisa temos de entender que fatores internos à estrutura escolar, tais como a organização (administrativa e disciplinar), o currículo, os métodos e os recursos humanos e materiais da escola são determinantes para a inclusão desses alunos com deficiência. Contudo, a figura do professor neste contexto é ainda mais relevante, uma vez que este é desenvolvedor das ações mais diretas no processo de inclusão, quais sejam lidar com as diferenças e preconceitos por parte de pais e alunos; com as expectativas e possíveis frustrações dos familiares portadores da síndrome; com as limitações e alcances dos próprios portadores, dentre outras. Neste novo paradigma, se verifica o surgimento de novas e maiores responsabilidades e parece clara a necessidade de uma formação mais eclética para o professor, que inclua conhecimentos teóricos específicos com fundamentos médicos, psicológicos, pedagógicos e sociológicos. Mas ainda temos discussão que permeiam nas escolas: a criança com síndrome de Down deveria acompanhar a sua turma regular mesmo quando não apreende os conteúdos formais da mesma? Existe um benefício do entrosamento dentro de um grupo da mesma idade que pese mais do que o aprendizado em si, ou a criança deveria ficar em uma mesma série até apreender bem estes conteúdos?
No caso da Manaíra percebemos que, mesmo algumas destas respostas já apareceram, porém as escolas estão realmente preparada para uma educação inclusiva?


Bibliografia:

FernandaTravassos-Rodriguezredesaci_educ_incl[1]

Entrevista com Sueli das Graças Martins Pinto Antoniolli

Voivodic, M. A. M. A. (2004). Inclusão escolar de crianças comSíndrome de Down. Petrópolis: Vozes

21 comentários:

oficina de idéias disse...

gostaria de receber esse seu artigo por email . adorei.

Maria Elisabete disse...

ola, sou estudante de fisioterapia e estou começando a produzir meu tcc, e queria saber se voces poderiam me ajudar, pois vou dar um enfoque para dança como inclusao social em pacientes com sindrome de down! obrigada desde ja pela atençao a mim dispensada...

Anônimo disse...

gostaria de saber a mas sobre inclusão de alunos com sindrome de Dawn
meu imail é keise.renata@yahoo.com
vou fazer meu tcc sobre esse assunto .
bjus!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Oi Neiva,lembra de mim? Viajamos juntas sábado passado. Muito legal o blog. Parabéns. Meu mail é nstella.enf@gmail.com
abraço.
Nadia Stella

Anônimo disse...

oi gente, sou o namorado da sueli, "KUKI", meu nome é Adalbeto e estou apaixonado por esta instituiçao e pelas pessoas que a compoe. obrigado pela existencia de vocês. um grande abraço...de
adalberto lima.

amo a kuki.

desculpem mas, tenho que falar,,,,;;
eu amo a kuki, "SUELI ANTOGNOLLI" e foi através dela que conheci o site e quero visitar vocês com muito carinho. vou falar só mais uma coisa que, pra quem gosta da kuki, vai aí um recedo; caso ela queira, vou me casar com ela. estou na áfrica e daqui vou para bento ginçalves, só pra ver e me apaixonar mais ainda por essa mulher maravilhosa e inteligente que é; sueli das graças martins pinto de lima antognolli. Amo essa mulher pelo seu empenho na atividade social e como um ser humano maravilhoso. Amo a sueli, "KUKI".....

abraço aà todos!

adalberto lima.

DANIELA disse...

OIE...
MEU TCCE SOBRE AS CRIANÇAS QUESE DESENVOLVEM NA ESCOLA REGULAR E GOSTARIA DE SABER SE VOCÊS TEM MATERIAIS PARA ELABORAÇÃO??
AGRADEÇO DESDE JÁ!!!

DANIELA disse...

OIE...
MEU TCCE SOBRE AS CRIANÇAS QUESE DESENVOLVEM NA ESCOLA REGULAR E GOSTARIA DE SABER SE VOCÊS TEM MATERIAIS PARA ELABORAÇÃO??
AGRADEÇO DESDE JÁ!!! MEU EMAIL EH DANIVERANO@YAHOO.COM.BR

adriana disse...

Olá, meu nome é adriana e moro em São Paulo - capital.Esatou cursando o 7semestre em pedagoia e tenho umtrabaho de conclusão de curso. Então resolvi fazer sobre inclusão e não sabia qual a deficiência que iria fazer. Um belo dia levando meu filho ao médico me deparei com uma criança que tem down e daquele dia em diante comecei a pesquisar sobre síndrome de down do qual me apaixonei e descobri em minhas pesquisa este blog e gostaria de pedir materiais sobre este assunto e se podem me fornecer e se tem algum lugar aqui en São Paulo que posso saber mais. grata

larissa Alcantara disse...

Bom eu nome é Larissa Alcântra , sou do interior se são paulo e estou com eu tema de tcc : Inclusão de portadores de sindorme de down na escola, e gostaria de saber se vocês poderiam me ajudar me mandando alguns artigos sobre o assunto , para aprofundar- me ainda mais sobre esse assunto tão discutido! achei muito bom o blog, por isso do meu interesse!
agradeço desde ja

Fernanda disse...

ola, meu nome e Fernanda,


bom, estou no meu ultimo ano da faculdade e tenho que fazer um tcc tambem sobre inclusao do sindrome de down, vc poderia me ajudar com isso...por favor.. onde posso obterfontes de pesquisas sobre essa inclusao, vcs poderiam me ajudar.. meu email e fernandafonseca1000@hotmail.com por favor me ajude , desde ja muito obrigada

camilarogerio disse...

ola, gostaria de receber seu artigo por email, pois é o tema do meu tcc, e ja trabalho com uma criança com down. meu émail é camilacrisbo@hotmail.com
obrigada

Sueli disse...

Se alguém quiser
trocar ideias, me escreva .
Meu email : kukiantonioli@gmail.com
msn: kukiguria@hotmail.com

bjos

Danny Reda disse...

Os alunos com deficiência não são problemas; esses alunos são pessoas que apresentam desafios à capacidade dos professores e das escolas para oferecer uma educação para todos, respeitando a necessidade de cada um

Isso tudo que vc falou é muito interessante, parabens por sua otima entrevista. Adorei demais.

natalia disse...

Olá!
Primeiro de tudo queria parabenizar pelo site que esta demais!!!
Bom, precisava de uma ajudinha de voces...estou fazendo meu tcc sobre a inclusao de crianças com sindrome de Down no ensino fundamental.
Na verdade ainda estou meio perdida, nao estou achando muita coisa, e agradeço se voces puderem me mandar algum material.
Obrigada.

Natalia disse...

Sou a Natalia, do recado anterior..esqueci de deixar meu e-mail... é natalia_beraldigomes@hotmail.com
se puderem mandar algum material, eu agradeço!!!

Marli disse...

Olá!
realizamos esse trabalho do seminário e criamos o blog em 2007 , na nossa especialização. O que temos está incluído no blog e também indicamos alguns links na lateral do blog. Espero que possas aproveitar. Abraço!

Ivana Maria disse...

Sou Ivana, moro em Cabo Frio, estou concluindo a graduação em Pedagogia e escolhi como tema p/ o TCC INCLUSÃO, pois acredito que seja possível, sim. Mas necessito de mais argumentos científicos e autores que ratifiquem minha idéia. Gostaria de saber se há alguma maneira de voces me ajudarem.
Um Abraço

Ivana disse...

meu E-MAIL é ivanamaria.rodrigues@hotmail.com,
escrevi o recado anterior mas esqueci de postar o E-MAIL

Anônimo disse...

Olá Boa Noite, sou mãe de um belo rapaz, de 15 anos com síndrome de dawm, gostaria de receber vídeos que o ajudassem na fala e com atividades pedagógicas. Meu e-mail é: luciacarneiro7@yahoo.com.br. Somos uma família feliz. Bjs a todos...

gloria disse...

Olá este material é riquissimo.Vou fazer meu trabalho de fim de curso equero focar a sindrome de Douwn, poém meu aluno não fala é agressivo ,irritado, não aceita regras, limites ,etc Então quero trabalhar sua independencia, pois ele muito dependente. PODEM AJUDAR-ME .fico agradecida
sou glória Macapá.

Anônimo disse...

Gostaria muito de receber materiais, NOMES, TÍTULOS e outros, a respeito do tema. Acredito nessa luta e fico feliz pelas boas ideias. Meu email é c.coelho24@hotmail.com Muito obrigada.

Normal é ser diferente.

Normal é ser diferente.